Disputa no TRT-21 pode ser questionada junto ao CNJ

Hoje, 15, os desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região definiram a lista tríplice de advogados para o Quinto Constitucional: Marcelo Barros, Marisa Almeida e Augusto Maranhão.

De acordo com a jornalista Thaisa Galvão:

“Faltou a velha e tradicional ‘suspeição’ na hora da escolha da lista tríplice para indicação do futuro desembargador do TRT-21 no Rio Grande do Norte.

Depois do advogado Marcelo Barros escolhido como primeiro da lista, foi a hora de votar o segundo nome.

Deu empate (4X4) entre o segundo e o terceiro da lista sêxtupla, Eduardo Rocha e Marisa Almeida.

O voto de Minerva foi do presidente do Tribunal, Bento Herculano, que optou pelo nome de Marisa.

Bento foi casado com Marisa.

Os dois tem uma filha.

No primeiro voto, 8 desembargadores votaram em Marcelo Barros.

Só Bento votou em Eduardo Rocha.

No segundo, Bento eliminou Eduardo.”, o comentário foi feito em seu blog, veja aqui.

Ainda durante o período de homologação de candidaturas, a advogada Marisa Almeida sofreu pedido de impugnação, contudo, a Comissão Eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil entendeu não haver qualquer impedimento, motivada pela relação de proximidade da candidata com o presidente do Tribunal.

Contudo, diante da forma como se procedeu a votação, nos bastidores surge o debate de se levar o fato ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), diante da possível suspeição não declarada pelo desembargador Bento Herculano.

Nota da redação: Se há ou não suspeição, acreditamos que apenas o pedido formal de investigação junto ao Conselho Nacional de Justiça pode apurar, por esse motivo, optamos por não emitir qualquer juízo de valor. Aguardamos as cenas dos próximos capítulos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.